Tunísia

veja o mapa

Situada na costa do mar Mediterrâneo, norte da África, a Tunísia é dominada, na parte setentrional, pelos montes Atlas. O sul é desértico, com inúmeros oásis e lagoas salgadas. A região guarda marcas das presenças fenícia, romana, bizantina, turco-otomana e francesa. A maioria da população é árabe e concentra-se no litoral. Há uma minoria de berberes nômades. Entre os países do mundo árabe, mantém os costumes mais liberais: as mulheres têm direitos civis e não precisam usar o tradicional véu, o shador. No passado, o desenvolvimento do comércio marítimo europeu atraiu para a Tunísia piratas e corsários, como Barbarroxa, que teve ali sua base de operações.

Fatos Históricos
O território onde está a Tunísia é colonizado no ano 1000 a.C. pelos fenícios, povo de origem semita que fundam Cartago, importante centro comercial do mar Mediterrâneo até a destruição pelos romanos em 146 a.C. Passa então a fazer parte do Império Romano. Os árabes conquistam a região no século VII da Era Cristã e transformam a cidade de Túnis no mais importante centro religioso islâmico do norte da África. Em 1574, a Tunísia é incorporada ao Império Turco-Otomano e permanece administrada por governadores turcos (beis) até 1881, quando se torna protetorado da França. Na II Guerra Mundial, o país, ocupado pelos alemães, é palco de combates. Com o fim do conflito floresce o movimento nacionalista tunisiano.

Nacionalismo e ditadura
Em 1956, a França concede independência à Tunísia. Habib Bourguiba, o principal líder nacionalista, é eleito para a Presidência em 1959, transformando-se posteriormente em presidente vitalício. Em 1964, seu partido torna-se o único legal. A invasão do sul do país pela Líbia, em 1980, é prontamente repelida. Greves e manifestações populares marcam os anos 80 e refletem crescente insatisfação com o governo Bourguiba. Em 1987, o líder é considerado incapaz de governar, sendo substituído pelo primeiro-ministro Zine al-Abidine Ben Ali, que revoga a Presidência vitalícia e estabelece a liberdade partidária. Há uma retomada do crescimento econômico, que chega a 4,8% em 1992, com incremento do turismo e das relações com a União Européia (UE). Ben Ali e seu partido vencem as eleições de 1994. O governo, porém, é acusado de perseguir a oposição, que no ano seguinte ganha as eleições em 47 prefeituras. O crescimento do fundamentalismo islâmico preocupa o governo. A condenação do presidente da Liga Tunisiana de Defesa dos Direitos Humanos a cinco anos de prisão, em janeiro de 1998, provoca protestos internacionais. Em maio, o governo anuncia plano de privatização de 50 empresas estatais até o final de 1999.

Dados Gerais
Nome oficial: República da Tunísia (Al-Jumhuriya-at-Tunusiya)
Capital: Túnis
Nacionalidade: tunisiana
Idioma: árabe (oficial), berbere, francês
Religião: islamismo 99,4% (sunitas), cristianismo 0,3%, judaísmo 0,1%, outras 0,2% (1980)
Moeda: dinar tunisiano
Cotação para 1 US$: 1,15 (jul./1998)

Geografia
Localização: norte da África
Características: litoral com o arquipélago de Kerkenna e a ilha Jerba; cadeia dos Atlas com numerosos lagos (NO); platô central, deserto (S)
Clima: árido tropical (maior parte), mediterrâneo (litoral)
Área: 163.610 km²
População: 9,5 milhões (1998)
Composição étnica: árabes tunisianos 99%, berberes 1% (1996)
Cidades principais: Túnis (674.100), Sfax (230.900), L'Ariana (152.700), Sousse (125.000) (1994)
Patrimônios da Humanidade: Medinas de Túnis e de Sousse; Sítio de Cartago; Anfiteatro de El Jemm; Parque Nacional Ichkeul; Cidade Púnica de Kerkuane; Cidade Fenícia de Qairouan; Cidade Romana de Dougga (Thugga)

Governo
República com forma mista de governo.
Divisão administrativa: 18 governadorias.
Chefe de Estado: presidente Zine al-Abidine Ben Ali (RCD) (desde 1987, reeleito em 1989 e 1994).
Chefe de governo: primeiro-ministro Hamed Karoui (RCD) (desde 1989).
Principais partidos: Reunião Constitucional Democrática (RCD), Movimento dos Democratas Socialistas (MDS).
Legislativo: unicameral - Assembléia Nacional, com 163 membros eleitos por voto direto para mandato de 5 anos.
Constituição em vigor: 1959.

Economia
Agricultura: trigo (884,9 mil t), cevada (160,4 mil t), azeitona (1,55 milhão de t), frutas cítricas (226,6 mil t), tâmara (109 mil t) (1997)
Pecuária: eqüinos (367,2 mil), bovinos (701,4 mil), camelos (231 mil), ovinos (6,3 milhões), caprinos (1,3 milhão), aves (35,6 milhões) (1997)
Pesca: 83,8 mil t (1995)
Mineração: petróleo (32,3 milhões de barris), fosfato (7,2 milhões de t) (1996)
Indústria: refino de petróleo, fertilizantes
Parceiros comerciais: França, EUA, Itália, Alemanha, Bélgica, Luxemburgo

Relações Exteriores
Organizações: Banco Mundial, FMI, OMC, ONU, OUA
Embaixada: SHIS - QI 9, cj.16, casa 20, CEP 71625-160, Brasília, DF
tel. (061) 248-3725, fax (061) 248-7355

 
 
Fonte: Almanaque Abril CD-ROM 1999 - 6.ed